segunda-feira, 30 de março de 2009

Logo!

Gritarás ... gemerás.
E no fim encho-te a transbordar...
de mim...
Sim!
Logo! ...encho-te o corpo e alma !

(raio das mms que me envias que me endoidecem! )

Sinto-te perto

Só ... toco-me ... pensando em ti.
Olvidando este desejo que me atormenta.
Frenéticamente consumindo-me a alma e corpo.
Indiscretamente toco-me ... pensando em ti.
Sentindo-te ... aqui ...
Alucinante momento meu ...

sexta-feira, 20 de março de 2009

Gosto meu ...

Hora de almoço. O silêncio que o exterior

nos trazia agora era preenchido pelo latejar do meu sexo. "Ouvia-o" gemer...contorcer-se...em espasmos enlouquecidos. Gemia ao ritmo da boca e língua dela. A S*... como ela sabe encontrar os recônditos do meu prazer.

Salivava molhando-me a glande. Via como escorria, simulacro do que aconteceria mais tarde.

Mas aí seria a sua boca a escorrer. Os seus lábios e língua. Como me abocanhava...como deslizava aquela língua pela minha verga.

Dedos matreiros suportando os testículos com os quais brincava em movimentos irracionais. Deitado no sofá onde me obrigara gentilmente com o peso do seu peito deslizara como uma serpente em busca da sua presa.

A imagem das mãos desnudando-me e libertando o meu sexo ainda me vinha á mente.

Como fitando-me com aquele olhar delirantemente ordinário havia pura e simplesmente engolido o meu sexo até á base.

Indo e vindo nele , fazendo-o crescer e engrossar. Palpitava de tesão incontida.

-"Fode-me todo..." balbuciei numa ordem suplicativa.

Paradoxo do momento. O jugo do macho desfazendo-se em mil pedaços e resumindo-o á efémera condição de ser aniquilado pelo prazer.

As minhas mãos acariciando o seu cabelo em revoltosos caracóis. Prendia-a de quando em vez fazendo-a sentir o prazer que me proporcionava.

E aquela língua...que desde a base me lambia num movimento ascendente sem se descolar.

Aqueles lábios que a seguiam em milhentos beijos húmidos. No topo fechavam-se e expeliam a mistura dos deuses. A saliva dela e a minha tesão. Escorrendo-me pelo sexo lentamente ...

E descia novamente...ora engolindo-me até onde cabia agora ... ora deslizando com língua e lábios.

E subia...descia...subia...descia.......subia.................descia.

Senti um dedo dela buscar o proibido. Deixei-a fazer...ir. Torneando em movimentos lentos pressionava preparando o final. Um final incomensuravelmente louco.

Com uma mão apoiada agora nas minhas forçou-me a ...forçá-la. A literalmente foder-lhe a boca.

Á minha renúncia física em fazê-lo respondeu-me com a ponta do seu dedo quase me penetrando.

E foi como queria. Presa ás minhas mãos fodia-a sem me conter agora. Uma mão dela acompanhando as minhas mas forçando-me o sexo a ir mais e mais profundo.

As minhas palavras deixaram de fazer sentido. Eram porcas e terrivelmente ordinárias agora. Como me havia dito que gostava de ouvir.

Perdi-me e dei comigo fazendo daquela boca um alvo que enchia com o meu sexo. Sentia a ponta dele tocar-lhe ... nem queria imaginar onde.

Perdido.

Perdido em movimentos sacadados de uma foda doida agora. Pausava por fracções de segundo a cada vez que a metia toda...tentando ir mais e mais longe ainda. Não esmorecia e ajudava-me ainda a empurrar-me mais e mais para dentro.

Recordo-me de a ter segurado firmemente com as duas mãos. E empurrei-me. Senti como a ponta do meu sexo tocava mas continuei.

Mais. E mais ainda...milímetro a milímetro e já que me desafiara assim o teria. O meu caralho todo pela boca dentro.

O limite passou a ser o invisivel. Quando deixasse de o ver. O meu sexo.

Senti que se tentava libertar agora e soltei a presa. Não se antes a inundar de mim. Numa torrente de lava expelida em espasmos incontrolados.

Pela boca dentro...todo. Toda a minha tesão libertada enquanto o meu sexo deslizava no sentido da saída agora da sua boca.

Fitou-me e sorriu...

-"eu disse-te que te mamava o leite todo...estava a ver é que não paravas de te vir".

E sem me deixar tempo a responder continuou...

-"Agora fode-me. Estou tão doida que se não me fodes agora saio daqui aos gritos"

Ri-me e com um gesto firme fi-la voltar-se de costas para mim. As mãos dela sem pudor levantaram a saia e ofereceu-se escandalosamente.

Afastando com os dedos a cuequita encharcada apontei o meu sexo e penetrei-a de um só movimento.

Gemeu. Gemi.

E fodemos.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Enlouqueceste-me...

Enlouqueceste-me ...
O teu gosto na minha boca
O meu gosto na tua
Como o pediste
Escorrendo os dois
Simbiose perfeita
Até aquele ... momento
Explosão de sentidos
Momento nosso
Inolvidável ...

segunda-feira, 2 de março de 2009

Upsss...

Assim que entrou no apartamento deixou cair a saia que trazia e envolvemo-nos em caricias perdidas de desejo mútuo há muitos dias por satisfazer. Não tardou a deitar-se no sofá e abrindo as pernas , palpitando de tesão pediu-me em termos impróprios e terrivelmente excitantes que a possuisse.
E as palavras mordazes surtiram o efeito que tanto receio ...
Tesão doida e incontrolável. A sensação de a penetrar lentamente, o gemido rouco e profundo.
Segundos depois saí dela de um golpe de rins e apertei a base do meu sexo tentando conter o que era impossível já de conter.
Vi o fluxo de lava quente saltar em esguichos e atingir-lhe a face ... a boca ... as mamas. Uma imagem fantástica que guardo em mim.
Escorre-lhe pelo canto da boca, pelo queixo delicado ... caindo como um fio no peito. Insaciada fitava-me ...
-"upsss...sorry...também me acontece como vês" desculpei-me sorrindo.
-"faço-te assim esse efeito?" retorquiu
-"foram as palavras..."
-"palavras? quando viro cadela e puta deixo-te doido não é? Adoro que me fodas a rebentar...ficas a dever-me porque esta não valeu"
Sorri.
Ainda segurava o meu sexo pingando sobre o ventre dela. Leu-me o pensamento e não se fez rogada. Num instante tinha-a de frente, abocanhando-me por completo e chupando-me como só ela sabe. Reluzia agora salivado pela lingua dela e acabou em palavras que me encheram o ego.
Fico-lhe a dever sim ... se fico!